quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

No espelho eu sou você

7 comentários:

  1. mesclado

    Muitas vezes, o que falo não é escrito,
    nem é escrito, tudo o que falo.
    Muitas vezes, calo quando poderia ter dito,
    mas por achar que deve ser dito, porém, calo.
    Muitas vezes, sinto que minto
    em tudo que sinto que acredito.
    Já que não acredito que sinto,
    mesmo sentindo que minto com toda sinceridade.
    Muitas vezes, evito,
    para evitar, como agora, todas minhas necessidades,
    Que mesmo evitando, não evito nem por minha vontade
    o que propriamente necessito.







    Mariana

    Mariana,
    em sua cama,
    nem sonha
    que ama; se sonha, sente vergonha.
    Na janela, suspirando,
    esperando algo que, somente nela, desperta.
    Vive sonhando acordada,
    enfim, com a vida que acorda sonhando.
    Com esse sonho de perto,
    fica em alerta,
    com os olhos bem abertos.
    Amigas que considera suas
    são duas na vida:
    Maria e Ana;
    que juntas,
    são como Mariana.
    Até que rima
    quando estão em sua companhia;
    Maria e Ana,
    e não Ana e Maria.










    Dupla solitária


    Pedro e Manoel
    eram irmãos de coração;
    em busca, sempre, de fazer alguma canção.
    Mas a vida foi cruel:
    lhes trouxe uma paixão;
    aparecendo, na música, a única mulher
    que tais tinham como inspiração.
    Pela amizade, fizeram a confissão;
    dali criou-se a rivalidade; houve a discussão.
    No final, ninguém ficou com ninguém;
    somente restou o violão.
    Eles pretendiam ficar bem,
    porém, mal continuava essa relação.
    Seguiram, sozinhos, pela estrada,
    sem a união, sem a amada.
    Por destino do caminho,
    fizeram ambos trio com João,
    marido depois daquela, que de tão bela,
    acarretou aos dois a separação.










    Fases

    Um dia, a Lua é cheia;
    outro dia, é nova;
    hoje, já é minguante;
    amanhã, crescente.
    Cada dia anda diferente;
    antes melhor fosse uma coisa somente.
    Vive em fases,
    não tem uma base.
    Uma hora, está gorda ou magra;
    outra hora, dividida ou inteira;
    ou, então, bonita ou feia;
    sempre está de uma maneira.
    E a gente flagra,
    toda vez, no céu, ela de uma forma.
    Talvez, não se conforma;
    não sabe o que quer.
    Isso prova
    mais até...
    que não sabe direito quem na verdade é.
    Assim, está a vida sua
    como a da Lua,
    mulher.












    Umildade
    Sou humilde,
    mas nem por isso entro em contato com entulhos,
    nem deixo de ler Oscar Wilde,
    nem colocaria nome em minhas filhas de Matilde e Clotilde.
    Sou humilde com todo orgulho,
    a ponto de algo, então, fazer,
    sem dizer o que foi que eu fiz;
    se bem fiz, deixo pra lá.
    Sou professor,
    e não fico me sujando com giz,
    para mostrar que sou isso de verdade.
    Como for,
    sou mais um aprendiz,
    que nem sabe direito o beabá.
    Sou tão humilde,
    que escrevo humildade
    sem agá.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Analfabeto é quem sabe,porém não gosta de ler

    ResponderExcluir
  4. tudo mmuito bonito e interessante...gostei do poema da Lua...bjuuu

    ResponderExcluir
  5. Gostei deveras da tua frase poeta, absolutamente correta, este é o maior de todos os analfabetos, bjuss gostei muito daqui. Até mais ver...

    ResponderExcluir